O que acontece com seu corpo quando...

... Você devora um cupcake delicioso, resolve esticar a festa e perde uma noite de sono, pede a terceira taça de prosecco. Entender que faz bem ao organismo ajuda a fazer escolhas mais saudáveis e a viver melhor!  





A pele das suas pernas parece uma bolsa feita de escamas de cobra? Há dias não consegue acordar descansada? O stress ainda anda impedindo que você se concentre? Se não vê a hora de se ver livre desses problemas, precisa ouvir seu corpo. Esses sinais sutis que ele esta mandando são uma espécie de apelo. Com pequenas mudanças, você pode turbinar sua disposição, qualidade de vida e até o vigor da pele.

Você não dorme bem É quase inevitável abrir mão preciosas horas de sono quando você esta na correria. O problema é cansaço. “Dormir mal e pouco pode trazer graves consequências à saúde, afetando a qualidade do sistema cardiovascular, do sistema imunológico a da pressão arterial”, fala a psicologa Delwin Bartlett. “O peso disso tudo é sentido até na balança!”, alerta ela. “ Quem não mantém a cabeça no travesseiro por pelo menos seis horas e meia por noite corre o risco de confundir os receptores que indicam a hora certa pra comer.” Parar  assegurar que repousará pelo tempo suficiente , a sugestão da especialista é começar a relaxar pelo menos 30 minutos antes de ir para a cama, desacelerando aos poucos.

Você esta de ressaca Sem que pense nisso, quando termina uma garrafa de prosecco, está se desidratando. Bebidas alcoólicas são diuréticas – o que explica as muitas visitas ao toalete na mesma noite. Significa que a água que alimenta seus órgãos faz um desvio e corre para a bexiga. “Fora que o álcool é absorvido pelo intestino e vai para o sangue na forma de etanol”, explica a nutricionista Amélia Duarte, de Salvador. “ Ele circula pelo corpo inteiro e se dirige ao cérebro, onde pode causar danos. Em excesso, produz alterações de comportamento, com oscilações entre alegria e tristeza, interfere nos sentidos e dificulta o equilíbrio”. Pior: cada tipo de drinque contém substâncias tóxicas especificas se misturar, sofrerá ainda mais com ressaca.
Quer encerrar a noite sem arriscar a saúde por mais de um tim-tim? Não beba de estômago vazio. Brindar depois de comer retarda a absorção de álcool. Outra sugestão: intercalar cada drinque com um copo de d’água.

Você se preocupa demais Isso só leva a uma vida carregada de stress. Quando é intenso e prolongado, sobrecarrega o organismo, prejudicando o coração, as glândulas suprarrenais, o sistema nervoso imunológico. O corpo fica pré disposto a infecções e aumenta a produção de radicais livres, que estimulam o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e degenerativas, e aceleram o processo de envelhecimento (facilitando rugas precoces!).
“Qualquer situação que requeira algum tipo de adaptação, positiva ou negativa, gera stress”, explica a psicóloga Ana Maria Rossi, presidente da internacional Stress Management Association (Isma-BR). “Ele provoca uma descarga de adrenalina que deixa o corpo preparado para reagir”, explica. Quer saber as principais respostas decorrentes dessa descarga hormonal? A mais comum é a dor muscular (86%), incluindo a dor de cabeça; seguida de emocionais: ansiedade (78%) e, olha ela de novo! Preocupação (73%). Ou seja, preocupação gera mais preocupação, criando um circulo vicioso. O pior é que esse mal nos ataca em cheio – 51% das mulheres assumem estressadas, contra 28% dos homens, de acordo com pesquisa da SulAmerica Saúde.
Como sair do olho do furacão? Imagine que dirige em estrada cheia de curvas: se colar na traseira do carro da frente, não conseguirá ultrapassar, por não ter boa visualização da estrada. Quando nos preocupamos demais, acontece o mesmo: permanecemos tão ligadas a questão que não enxergamos o todo. Para a australiana Charlotte Beaumont-Field, gerente de uma fundação voltada ao bem-estar, é importante encontrar formas positivas de encarar as inquietações. “Ter válvulas de escape para recarregar – como reservar um tempo para se cuidar, se exercitar ou conversar com alguém que confie – ajuda a ver a situação de uma nova perspectiva”.

Você devora delícias bem açucaradas Já reparou que quando se sente cansada, nervosa ou faminta, só pensa em atacar uma caixa de bombons? Apesar de dar água na boca, essa nem de longe é a melhor opção. “ Sempre que os níveis de serotonina diminuem, ficamos tristes, irritadas, ansiosas , explica Amélia Duarte. Então, o cérebro envia uma mensagem exigindo a ingestão de doce, que de fato ativa a produção desse neurotransmissor responsável pelo equilíbrio do humor. Por outro lado, o excesso do elixir da felicidade pode piorar a situação. “Ele não contém enzimas, agentes que ajudam o organismo a digerir os alimentos”, explica a nutricionista Zoe Bingley-Pullin, autora de livro Eat, Taste, Nourish (Coma, Saboreie, Alimente). “Quando você exagerar no açúcar, seu corpo precisa trabalhar  muito mais para realizar o processo de digestão. “E esse esforço extra talvez a deixe letárgica e com gostinho de quero mais. Depois do pico de euforia, seu ânimo volta a cair e você tende a repetir a dose.” Resultado: quilos extras se instalam sem ser convidados.
A alternativa inteligente é se segurar. E estipular quantias menores. “Consumir um bombom orgânico ou três balas poucas vezes na semana não vai causar grandes estragos”, sugere Zoe. “Desde que preencha o restante da dieta com frutas e vegetais frescos e alimentos integrais, seu corpo entrará em equilíbrio naturalmente e ficará ainda mais fácil resistir a tentação”.
Como a glicose é combustível cerebral, você talvez comece a se sentir desatenta”, avisa a nutricionista Cynthia Antonaccio. O corpo inteiro começa a trabalhar em marcha lenta – incluindo seu metabolismo e suas reações físicas  Ao mesmo tempo cai a produção de serotonina, o que vai deixa-la irritada e mal-humorada . “O quadro geral é de sonolência, falta de energia, tontura...”, alerta a nutricionista funcional Daniela Jobst. E tem mais: talvez passe a sentir dor de estômago. “Produzimos ácidos gástricos continuamente”, diz Cynthia. E, se nada para digerir, eles agridem a parede do órgão, e isso dói! Para evitar todo esse desconforto, você precisa ingerir no mínimo 1200 calorias por dia, distribuídas em três refeições. Sim, se a vida está corrida e lanches não cabem na rotina, não será um pecado mortal abrir mão deles. Mas jamais deixe de tomar café de manhã, almoçar e jantar, ok?

Você fica desidratada Atire o primeiro copo quem nunca passou um dia sem dar uns bons goles de água. “Além de regular a temperatura do corpo, ela serve de meio de transporte dos nutrientes para as células, ajuda no funcionamento dos rins e dos intestino, elimina toxinas e ainda melhora a circulação sanguínea”, explica Amélia Duarte. Quando você passa muito tempo sem beber, pode sofrer confusão mental, tontura e náuseas. E a pele também padece, ficando ressecada.
Como saber se o seu “reservatório” esta baixo? Receptores no cérebro e nos rins identificam o nível do líquido no sangue, de acordo com a clínica geral Penny Adams, e mandam sinais de alerta. Fique atenta, “Não é bom tomar grandes quantidades de uma só vez, já que o corpo precisa absorver a bebida”, sugere Amélia. Prefira a bebida pura, zero caloria, a sucos e refris.


Brasil: país referência em Cirurgia Plástica

A Cirurgia Plástica se desassociou da Cirurgia Geral, fazendo do Brasil uma das melhores referências na especialidade




“A cirurgia plástica é uma especialidade que surgiu com o objetivo de tratar o corpo e suas questões reconstrutora e estética, proporcionando ao individuo a oportunidade de estar bem consigo e seu meio”, destaca o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Sebastião Nelson Edy Guerra. A área somente foi oficializada como especialidade médica a partir da I Guerra Mundial, devido ao aumento da necessidade de profissionais especialistas em reparação corporal.

No Brasil
Os primeiros trabalhos de cirurgia plástica datam de 1842, vindos da Bahia e do Rio de Janeiro. Mas somente em 1930 essa especialidade ganhou notoriedade, quando foi fundada a primeira clínica especifica na área, por José Rebello Neto, que também criou a SBCP, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Foi também na capital paulista que Antonio Prudente Meirelles de Morais , outro grande cirurgião plástico brasileiro, estabeleceu a primeira disciplina de cirurgia plástica na Escola Paulista de Medicina em 1993.
Em 1940, delineando seu papel de liderança na America Latina e de destaque mundial na área, foi criada, em São Paulo, a Sociedade Latinoamericana de Cirurgia Plástica, atual Federação Ibero Latinoamaricana de Cirurgia Plástica.

Devido a uma grandiosa trajetória e importantes realizações , em 1965 Rebello Neto recebeu o título de "Pai da Cirurgia Plástica Brasileira" da SBCP.

No final da década de 60, a cirurgia plástica brasileira já era vista como uma das melhores do mundo, atraindo para o país cirurgiões de vários países em busca de formação. “Tecnicamente, o Brasil é reconhecido internacionalmente pela implatação de novos procedimentos. A formação em nosso país é uma das melhores do mundo. Somos respeitados tanto pelas publicações científicas, como pela qualidade de nosso profissionais”, afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Regional de São Paulo (SBCP- SP), Carlos Alberto Komatsu.

Fundada em 1948, na cidade de São Paulo, a SBCP nasceu com intuito de promover e aprimorar o estudo da cirurgia plástica no país. A entidade conta com 4.805 membros e outras regionais. A sociedade é o órgão máximo da especialidade, responsável por conferir o título de especialista, credenciado e fiscalizando os serviços para formação de especialistas.

“Por meio do departamento de Ensino e Serviços Credenciados, a SBCP supervisiona a fiscaliza o nível de ensino em todo o país, acompanhando o processo desde o ingresso do futuro profissional até a conclusão da formação teórica e prática”, explica Guerra.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica regional São Paulo (SBCP-SP)
A criação da regional paulistana surgiu da necessidade de congregar os membros do Estado em encontros em que pudessem trocar e aprimorar seus conhecimento. Assim, em 19 de Fevereiro de 1966, foi fundada a SBCP-SP, atualmente com cerca de 1.703 associados e 18 regionais.

“As pessoas costumam acreditar que a cirurgia plástica é somente estética – o que também é muito importante -, mas nossa especialidade é bem mais ampla do que se imagina. A cirurgia plástica está inserida em várias áreas de atuação, como cirurgia de mão e queimaduras, além das oncológicas, ortopédicas, de cabeça e pescoço, e reconstrutoras”, explica Komatsu.

História
A referência mais antiga a respeito da cirurgia é de Sushruta, considerado o pai da área. No documento estão orientações para o preparo e dissecação de cadáveres, descrições de instrumentos e técnicas cirúrgicas.

O conhecimento anatômico foi condição essencial para o avanço da cirurgia, uma vez que o conhecendo o corpo humano adequadamente, a possibilidade de atuação sem que ocorresse erro era maior.
Entretanto, em algumas sociedades, como a romana e a grega, as dissecações eram proibidas pela religião. 

Mesmo assim, Hipócrates deixou diversas descrições de procedimentos de cirurgia plástica, como enfaixamentos e cuidados com a estética dos curativos.

A partir do renascimento, com os estudos anatômicos autorizados, a cirurgia plástica ganha impulso. Em 1957, é publicado o trabalho de Gaspare Tagliacozzi, um dos pioneiros da cirurgia plástica, descrevendo reconstituições nasais, auriculares a labiais com transplante pediculado de membro superior, conhecido como retalho italiano. Além disso, é a primeira vez que a correção estética é relacionada com autoestima. 
“Faz bem ao espírito e a mente”, escreveu Tagliacozzi.

Fonte: Jornal do Cremesp

Cirurgia Plástica não é mercadoria


Mercantilização gerou financiamentos e pacotes fechados condenados pelo Conselho Federal de Medicina




A propaganda incentiva, a oferta é cada vez mais ampla, os preços torna-se mais acessíveis e as formas facilitadas de pagamento multiplicam-se. Não é uma moda como qualquer outra, pela simples razão de que  põe a vida em risco, como todo e qualquer procedimento cirúrgico que envolva anestesia internação hospitalar. Portanto é preciso cuidado com banalização da cirurgia estética, os excessos dela decorrente ao oportunismo de certos profissionais. 

“Há sempre percentual de risco. Não existe risco zero em cirurgia”, diz o Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), José Yoshikazu Tariki. Muito noticiado, os casos de complicação até morte após a realização de lipoaspiração, procedimento considerados simples, são ilustrativos da necessidade de avaliar onde se pisa quando se procura procedimento por vias cirúrgicas. “Feita pela um profissional habilitado, em ambiente hospitalar ou em clínica médica e equipada a lipoaspiração é um procedimento seguro. Mas não pode ser banalizada. Qualquer cirurgia que a pessoa vá fazer, uma sugestão é escolher  bem o profissional. Busque mais informações a respeito da atuação dele e pesquise referências no meio medico, orienta Tariki, ressaltando: “A lipoaspiração não é método de emagrecimento. Serve para corrigir desarmonias provocadas por depósito de gordura em certas regiões do corpo”.

Tariki informa para receber título de especialista de cirugia plástica o médico precisa passar dois anos de cirurgia geral e mais três de especialização em cirurgia plástica para depois ser submetido a prova especifica aplicada pela SBCP. Isso não significa que legislação vede a prática de procedimentos estético-cirúrgicos aos médicos não especializados – a escolha cabe ao paciente.

Para o Presidente da SBCP, embora a qualidade de cirurgia plástica praticada no Brasil seja reconhecida mundialmente, o público precisa estar atento, pois o terreno tem-se mostrado fértil para oportunistas. “A Associação Médica Brasileira (AMB) não reconhece a medicina estética como uma especialidade médica”. Informa Tariki, explicando que, que nesse campo,  há duas especialidade reconhecidas: a cirurgia plástica e a dermatologia, as quais tem seu âmbito os procedimentos ditos estéticos.

Segundo pesquisa efetuada pelo Datafolha a pedido da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), são realizadas no Brasil 196 mil cirurgias plásticas por ano, das quais 132 mil, ou 73%, dão-se por motivação estética e não reparadora. As mulheres respondem por 88% das operações estéticas e 72% delas tem entre 19 e 50 anos. Esses números não incluem os procedimentos de pequeno porte, como retirada de pintas ou verrugas.

Pacotes

É preciso tomar especial cuidado com empresas comerciais que oferecem como financiadoras de cirurgias plásticas e que vendem pacotes fechados. Tal intermediação do trabalho médico e condenada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), conforme a resolução 1.836 de 2008.

A cirurgia plástica no atual estágio de desenvolvimento social trouxe, por um lado, a possibilidade do bem-estar conjugado a melhora do aspecto físico, mas, por outro lado, alargou desmensuradamente conceitos e generalizou o alcance de resultados.

Necessidade

Saudavelmente necessita de uma cirurgia estética? Na opinião do Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, trata-se uma decisão pessoal. “Para ser saudável do ponto de vista psicológico, a pessoa tem de estar satisfeita com seus aspectos físicos. Se alguma característica do rosto deixa o individuo infeliz e existem técnicas reconhecidas de resultados satisfatórios por que não lhe oferecer essa oportunidade?”, indaga José Tariki. “A palavra ‘necessidade’ é muito relativa”, declara.

Segundo a pesquisa no Brasil do Datafolha, a cirurgia estética mais procurada no Brasil é a de aumento das mamas (21%), seguida pela lipoaspiração (20%) e a modelagem do abdômen  (15%). “ Acreditamos que houve aumento das cirurgias de aumento das mamas com silicone por causa da divulgação. E a maioria das pessoas que estão indo procura-las realmente tem indicação para tanto. Para aquelas que não tem, fica a critério médico contraindicar a operação” observa Tariki.

Fonte: Revista SBCP






Como são fabricadas as próteses de silicone


Empresas mantém nível elevado de segurança durante fabricação



A FABRICAÇÃO DO ELASTÔMERO

A responsabilidade com a qualidade das próteses começa no momento em que o fabricante recebe e verifica a matéria-prima. No caso das próteses mamárias pesquisadas para esta matéria, especificamente, o gel utilizado é fornecido pela Nusil Technology. A substância é silicone de grau médico implantável da mais alta qualidade aprovada e reconhecida pelo FDA (Food and Drug Administration), entre outras entidades de relevância internacional e certificada com ISO 9001:2008 e ISO 13485:2003. A rastreabilidade da prótese é fundamental. Para isso, todos os produtos devem receber um numero de série no início da fabricação, o que possibilita o acompanhamento do implante após a cirurgia. O elastômero, membrana que envolve e protege o gel de silicone, é obtido por meio de um molde que é mergulhado em uma dispersão (gel) de silicone e levado a um forno de alta temperatura, para adquirir forma e consistência.
Este processo é repetido ate que se obtenha as diferentes camadas que vão formar o elastômero. A membrana tem uma estrutura trilaminar, com camadas de espessura e uma ótima resistência e evita o micro vazamento do gel de silicone.
As próteses ainda passam pelo processo de texturização do elastômero, procedimento que favorece a aderência aos tecidos e favorece a aderência aos tecidos e reduz a  incidência de contratura capsular. Por dia, cerca de 30 produtos passam por testes mecânicos de destruição. Os elastômeros são submetidos a prova de resistência e deformação realizadas pelo departamento de Controle de Qualidade. A escolha dos elastômeros a serem testados é feita aleatoriamente. Na primeira prova, partes da membrana são cortadas e esticadas ate se romperem, para que seja medido seu potencial de alongamento. Este teste é feito em diferentes pontos, entre a base e o topo da bolsa. A norma internacional ISO 14607 (referente as Boas Praticas de fabricação de dispositivos médicos – especificamente, de próteses mamárias) exige que as membranas tenham ao menos 450% de potencial de alongamento, mas a média dessa empresa e de  600%. Existem empresas que rejeitam os elastômeros com índice inferior a 500%. O ideal é obter uma membrana que alie alto poder de alongamento e maleabilidade com grande resistência.
Na Prova de deformação, as membranas são alongadas a 300% por dez segundos e tem que apresentar uma deformação inferior a 3% -, índice inferior ao exigido pela ISO 14607, que é de menos de 10% de alteração. Depois, os elastômeros são submetidos a testes antivazamento,  em que são preenchidos com ar e mergulhados em um recipiente com etanol. Além destes testes físicos, as membranas passam por avaliações visuais que ajudam a detectar irregularidades.

SELAGEM E PREENCHIMENTO

Na etapa seguinte, antes de ser preenchido com o gel de silicone, o elastômero é selado em um processo de vulcanização (processo por calor). Diariamente, o controle de qualidade escolhe aleatoriamente elastômeros selados para realizar testes de alongamento e selagem. As membranas são esticadas ate se romperem e, pela ISO 14607, o potencial de alongamento deve ser superior a 300%. O gel de silicone, após passar por provas de coesão diariamente, é inserido na membrana por meio de um minúsculo fio de teflon. O gel injetada na membrana  por meio de uma agulha que penetra o elastômero pelo canal deixado pelo fio de teflon, que é retirado e recolocado para preenchimento.  A cada etapa do processo, os resultados dos testes são documentados. Para garantir o comprimento dos procedimentos, 30 relatos, diante de um total de 800, são analisados aleatoriamente por dia. Para a comercialização, as próteses são esterilizadas com oxido de etileno e embaladas em double-blister. O produto é armazenado em temperatura ambiente e na horizontal, para evitar deformações. Mas, tão importante quanto a rigidez em cada uma dessas etapas, é o acompanhamento dos pacientes, que é essencial para a minimização de riscos.

CONHEÇA SEU FORNECEDOR

É fundamental que os cirurgiões conheçam profundamente os fabricantes das próteses. A história e a tradição do fornecedor devem fazer a diferença na hora da escolha. Da mesma forma, a condição financeira da empresa pode ser determinante em caso de crises. É importante conhecer as garantias (nacionais e internacionais), saber que tipo de suporte é oferecido aos médicos e pacientes.

Fonte:  Revista Plastiko’s  Janeiro 2012

Cinturinha de pilão

Como o jogador Ronaldo, homens recorrem a lipoaspiração para perder peso


Criada no fim da década de 70 a técnica de lipoaspiração – que consiste em retirar gordura do corpo por meios de um sistema de aspiração a vácuo, feito com a incisão de cânulas de, no máximo, 3 milímetros – começou a atrair homens a cerca de dez anos.

Segundo pesquisa do Instituto Datafolha, são realizadas no estado 1.200 lipos em homens por ano (13% do total). Entre as figuras famosas que já entraram na faca, ou melhor, na cânula, estão o apresentador Gugu Liberato, o publicitário Roberto Justus e o jogador corintiano Ronaldo – que não nega nem confirma a informação. Cansado de malhar quase todos os dias durante cinco anos e não perder gorduras do quadril, em outubro de 2006  André Petri, de 25 anos que recorreu a lipo para aspirar essa região. “ Foi uma forma de me sentir melhor comigo mesmo”, diz  “caminhar sem camisa no Ibirapuera ou ir a praia de sunga deixou de ser um problema”. Além do preconceito em queda, há outra explicação para a mudança de comportamento masculino: a competição profissional. Para manterem sua posição em uma empresa ou mesmo buscarem outros cargos, os homens querem parecer mais jovens do que são.

E há quem faça lipo para ficar bem com a mulher ou namorada. É o caso do empresário Josimar Tremeschine, de 52 anos, que decidiu sugar as gordurinhas depois que sua mulher, dez anos mais jovem, colocou prótese de silicone nos seios. O resultado da cirurgia dela estimulou a fazer lipo no abdômen e na cintura, em outubro do ano passado. Tremeschini entrou na sala de cirurgia as 8horas de uma quinta-feira e, as 14 horas, já estava em casa, com 4 quilos a menos. “ eu me cobrava muito”, diz. “Agora, não corro o risco de ficar achando que ela vai querer trocar de marido.”

Caio Barretto Briso
Fonte: Veja São Paulo 
Editado: Equipe Dr Flávio Quinalha

Tirando dúvidas em três parágrafos (Série)

Prótese de mama e a volta ao trabalho.

A volta ao trabalho após a cirurgia de prótese de mama vai depender do tipo de trabalho e locomoção até o mesmo.

Quando as atividades para trabalhar não exigem esforços físicos, como nos escritórios, posição sentada, computador, ela pode se dar já a partir do terceiro-quarto dia após a cirurgia. Caso exija esforços físicos com os braços, recomendo aguardar duas a três semanas.

Outro fator importante é o tipo de transporte até o trabalho, situação em que é necessária aglomerações tais como metrôs e ônibus, além da chance de batidas na região operada, os movimentos bruscos levam a uma movimentação da prótese de mama, o que também deve ser evitada até duas a três semanas após a cirurgia.

Dr. Flávio Quinalha Gomes. (Twitter.com /plastica_news)
Cirurgião Plástico membro da Sociedade Brasileira e Internacional de Cirurgia Plástica

Após a cirurgia de prótese de mama, quando é possível dirigir e praticar academia?

Depende. Este tempo, entre a realização da cirurgia e a volta às atividades do dia a dia como dirigir, pode variar de paciente para paciente.

De um modo geral, quando a prótese de mama é implantada atrás do músculo, oriento as pacientes a voltarem a dirigir gradualmente à partir de quinze dias da cirurgia, quando a prótese é implantada na frente do músculo, que é a maioria na minha rotina, são dez dias após a cirurgia de implante mamário.

Para a prática de academia de ginástica com os braços, ou seja, os esforços vigorosos, sendo o implante atrás ou à frente do músculo, oriento as pacientes para aguardarem completar o segundo mês após a cirurgia e então realizarem tais esforços.

Dr. Flávio Quinalha Gomes. (Twitter.com /plastica_news)
Cirurgião Plástico membro da Sociedade Brasileira e Internacional de Cirurgia Plástica