Plástica após a gestação, devo ou não? Parte II

Na primeira parte deste artigo abordamos as mudanças no corpo feminino durante e após a gestação. Falamos que “o corpo da mulher passa por algumas modificações após a gestação, sendo que algumas delas são permanentes. É então que o Cirurgião Plástico pode colaborar através de uma ou mais cirurgias”. Agora na continuação, falaremos quais são as cirurgias e procedimentos recomendados para cada parte do corpo.
Para a área abdominal, geralmente a lipoaspiração isolada é suficiente para a paciente que engordou pouco, entre sete e oito quilos, tem pele bem firme e é magra. A mini- abdominoplastia ou a abdominoplastia pode estar indicada para a paciente que teve um ou mais filhos e possui flacidez tanto nos músculos quanto na pele e ainda excesso de gordura. Tanto na mini como na abdominoplastia são tratados os músculos abdominais e o excedente cutâneo através de um acesso ao nível do púbis e cicatriz de acordo com maior ou menor excesso de pele e gordura. Para casos selecionados pode-se indicar a lipoaspiração em conjunto com a cirurgia do abdome (lipoabdominoplastia) que proporciona um resultado mais exuberante.
Para as mamas que passaram por alterações após a gravidez, também dependendo do grau da alteração, estará indicada: a mamoplastia de aumento (prótese de mama) quando não há muita flacidez; a mastopexia, que é a suspensão das mamas e a retirada da pele flácida e em excesso quando há uma “queda” da mama ou então a combinação das duas cirurgias ao mesmo tempo (implante da prótese e mastopexia) quando além da “queda” há pouco volume mamário.
Para a região lateral do abdome e da parte baixa das costas e cintura que apresentam um acúmulo de gordura, geralmente está indicada a lipoaspiração apenas, lembrando sempre que a eliminação de parte da gordura não irá tratar as alterações da pele como flacidez e estrias.
Dependendo de cada caso, todas as cirurgias podem ser associadas, ou seja, é possível de uma vez recuperar as mamas, o abdome e o contorno da região da cintura, sendo essa associação umas das cirurgias mais comuns no exercício da Cirurgia Plástica. Sempre, logicamente, respeitando as limitações de cada caso!
Quando muito bem indicados e conduzidos, nada têm de errado o conjunto de cirurgias denominados “mommy makeover” ou “mommy job”.
Para concluir, mesmo com todas estas alterações, o organismo feminino foi criado por Deus para gerar e está preparado para tal. A gravidez proporciona um sentimento único para a mulher e ela sente no corpo a plenitude de sua feminilidade.
A gravidez não é e jamais será algo que transforma em patologia o corpo pós-parto caracterizando gestação e parto como enfermidades com efeitos desfigurantes.
A mulher moderna tem hoje importante projeção social, deseja ter boa imagem pessoal e possui recursos específicos para tal, dentre os quais inclui a Cirurgia Plástica.
Para esclarecer as dúvidas sobre a intervenção mais indicada para seu caso, não há nada melhor que uma boa conversa e consulta com o Cirurgião Plástico.

Dr. Flávio Quinalha Gomes. (Twitter.com /plastica_news)
Cirurgião Plástico membro da Sociedade Brasileira e Internacional de Cirurgia Plástica

0 Comentários sobre "Plástica após a gestação, devo ou não? Parte II"

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário sobre Cirurgia Plástica Estética